ChatGPT é um chatbot com capacidade de escrever redações muito boas em segundos e foi usado até por líderes presentes na conferência econômica de Davos

  • 23/01/2023
  • 0 Comentário(s)

ChatGPT é um chatbot com capacidade de escrever redações muito boas em segundos e foi usado até por líderes presentes na conferência econômica de Davos

Quando Kristen Asplin ouviu falar sobre uma nova e poderosa ferramenta de chatbot de inteligência artificial chamada ChatGPT, que se tornou viral recentemente com a capacidade de escrever redações muito boas em segundos, ela ficou preocupada sobre como seus alunos poderiam usar isso para trapacear.

Asplin, professora da Universidade de Pittsburgh em Greensburg, nos Estados Unidos, logo se juntou a um novo grupo no Facebook para professores como ela para falar sobre as preocupações e trocar sugestões sobre como reestruturar suas aulas e trabalhos em resposta ao ChatGPT.

A ferramenta, lançada no final de novembro, pode criar respostas detalhadas para perguntas simples como “Quem foi o 25º presidente dos Estados Unidos?”, bem como respostas a questões mais complexas como “Que desenvolvimentos políticos levaram à queda do Império Romano?”.

Asplin decidiu por ajustar sua abordagem para os trabalhos escritos. Em vez de se concentrar apenas no produto final, que poderia ser feito facilmente pelo ChatGPT, ela agora pede aos alunos que entreguem seus trabalhos em vários estágios do processo de redação.

“Estou enfatizando e sendo mais vigilante sobre as etapas iniciais do processo de redação para poder ver o progresso deles”, disse Asplin sobre sua nova abordagem nos trabalhos da classe.

“Isso dará aos alunos mais confiança no processo de escrita, de modo que é menos provável que fiquem desesperados o suficiente para trapacear. Também me mostrará o trabalho deles ao longo do caminho, para que eles não possam simplesmente digitar um prompt no programa e fazer com que o computador faça o trabalho por eles”.

Nas semanas desde que o grupo de pesquisa de inteligência artificial OpenAI lançou o ChatGPT, que é treinado em um enorme tesouro de informações online para criar suas respostas, a ferramenta foi usada para escrever artigos (com algumas imprecisões factuais), letras de música no estilo de vários artistas (um dos quais mais tarde respondeu: “essa música é uma porcaria”) e redigiu resumos de trabalhos de pesquisa que enganaram alguns cientistas.

Mas, embora muitos possam ver a ferramenta como uma novidade com consequências desconhecidas a longo prazo, um número crescente de escolas e professores está preocupado com seu impacto imediato sobre os alunos e a capacidade de trapacear nas tarefas. O grupo do Facebook ao qual Asplin se juntou, por exemplo, adicionou mais de 800 membros em apenas algumas semanas desde que foi criado.

Alguns educadores agora estão se movendo com velocidade notável para repensar seus trabalhos e tarefas em resposta ao ChatGPT, mesmo que ainda não esteja claro o quão difundido é o uso da ferramenta entre os alunos e o quão prejudicial pode realmente ser para o aprendizado.

Em entrevista à CNN, alguns professores universitários disseram que estão voltando às redações feitas em sala de aula pela primeira vez em anos, e outros estão exigindo redações mais personalizadas. Alguns professores disseram que também ouviram falar que alunos estavam sendo solicitados a filmar vídeos curtos que elaboram seu processo de pensamento.

Enquanto isso, as escolas públicas da cidade de Nova York e Seattle já proibiram alunos e professores de usar o ChatGPT nas redes e dispositivos do distrito.

Alan Reid, professor da Coastal Carolina University e professor adjunto da Johns Hopkins University / Alan Reid / Divulgação

Embora tenha havido algumas histórias de casos de trapaça circulando na internet e despertando o medo de que mais pode estar por vir, alguns professores estão pedindo a seus colegas que não reajam de forma exagerada a uma nova tecnologia.

“Houve uma resposta histérica em massa ao ChatGPT de que poderia potencialmente arruinar a escrita, enquanto outras pessoas acham que ele [ChatGPT] é realmente uma coisa boa”, disse Alan Reid, professor associado de inglês na Coastal Carolina University. “Temos que tentar cruzar os dois lados e reconhecer as desvantagens e os pontos positivos”.

Adaptando-se a um novo chatbot de inteligência artificial

Nas últimas semanas, Kevin Pittle, professor associado da Biola University, na Califórnia, se pegou pensando sobre o que o ChatGPT sabe.

“Antes de atribuir materiais, interrogo minuciosamente o ChatGPT para ver o que ele ‘sabe’ ou não sobre o material ou ao qual tem acesso”, disse ele.

Com isso em mente, ele disse que agora está exigindo que seus alunos mostrem citações de fontes específicas que não estão disponíveis para o ChatGPT, incluindo livros didáticos, artigos protegidos por paywalls e materiais produzidos após o treinamento do ChatGPT em dados da internet disponíveis a partir de 2021.

E ele não para por aí.

“O ChatGPT não ‘tem alma’ – seus reflexos fictícios geralmente são bastante sem vida – então, em um curso, estou exigindo muito mais ‘pesquisas da alma’ e diário reflexivo do que o ChatGPT parece capaz de trapacear”, disse ele.

A OpenAI disse anteriormente à CNN que disponibilizou o ChatGPT como uma prévia para aprender com o uso no mundo real. Um porta-voz chamou essa etapa de “parte crítica do desenvolvimento e implantação de sistemas de inteligência artificial seguros e capazes”.

“Não queremos que o ChatGPT seja usado para fins enganosos nas escolas ou em qualquer outro lugar, por isso já estamos desenvolvendo mitigações para ajudar qualquer pessoa a identificar o texto gerado por esse sistema”, disse o porta-voz. “Estamos ansiosos para trabalhar com educadores em soluções úteis e outras formas de ajudar professores e alunos a se beneficiarem da inteligência artificial”.

Algumas empresas, como a Turnitin, já estão trabalhando ativamente nas ferramentas de detecção de plágio do ChatGPT que podem ajudar os professores a identificar quando os trabalhos são escritos pela ferramenta. A Turnitin já trabalha com 16 mil escolas, editoras e corporações com suas outras ferramentas de detecção de plágio.

O estudante de Princeton, Edward Tuan, disse à CNN que mais de 95 mil pessoas já experimentaram a versão beta de seu próprio recurso de detecção de ChatGPT, chamado ZeroGPT, observando que tem havido “demanda incrível entre os professores” até agora.

Página do ChatGPT, da empresa OpenAI / Reprodução

A preocupação se estende para além dos Estados Unidos. Alex Steel, diretor de estratégia de ensino e professor de direito na Universidade de New South Wales, disse que várias universidades da Austrália anunciaram um retorno das provas sem consulta aos livros.

“Há um número crescente de acadêmicos preocupados com a possibilidade de não conseguirem detectar respostas escritas por ferramentas de inteligência artificial”, disse ele à CNN. “Em parte, as preocupações são motivadas pela falta de compreensão dos professores sobre que tipo de perguntas podem ser suscetíveis […] então a equipe pode pressionar pelo retorno aos exames até que [essas questões] possam ser abordadas”.

Aprendendo a aderir à tecnologia

Nem todos os professores estão procurando maneiras de reprimir o ChatGPT. Reid, professor da Coastal Carolina University, acredita que os professores devem trabalhar com o ChatGPT e ensinar as melhores práticas em sala de aula.

Reid disse que os professores podem incentivar os alunos a fazer uma pergunta sobre o trabalho na ferramenta e compararem esse resultado com o que escreveram pessoalmente.

“Isso também pode permitir uma oportunidade de ensino para os alunos verem o que perderam, analisar as várias abordagens que poderiam ter adotado ou usá-lo como ponto de partida para ajudar com um esboço”, disse Reid.

Ele argumentou que sempre haverá maneiras de os alunos trapacearem online, então ensiná-los como o ChatGPT pode melhorar sua própria escrita pode ser um passo prático adiante.

“O fardo recai sobre os educadores – e muitos não querem ser policiais em sala de aula”, disse ele. “A maneira de lidar com isso é que os professores examinem suas próprias práticas e pensem em como isso pode ser usado de forma positiva. Se eles ignoram e não buscam saber nada sobre isso, deixa a porta aberta para os alunos usarem isso para trapacear e se safar”.

Leslie Layne, professora de inglês e linguística da Universidade de Lynchburg, na Virgínia, concorda. Ela agora planeja ensinar aos alunos como o ChatGPT pode melhorar a redação deles.

“O ChatGPT pode dar aos alunos um início rápido, para que eles não comecem em uma página em branco. Mas não chega perto de um produto acabado”, disse ela. “Queremos que os alunos incluam mais fontes e evidências, para que possam ser usadas como algo para construção”.

Ela comparou o ChatGPT ao clamor em torno das calculadoras quando elas foram lançadas. “As pessoas estavam muito preocupadas que perderíamos a capacidade de fazer matemática básica”, disse ela. “Agora carregamos uma para onde quer que vamos com nossos telefones, e é muito útil”.

Layne disse que os professores podem considerar fazer com que os alunos critiquem como o ChatGPT lidou com uma pergunta sobre o trabalho, ensinar os alunos como encontrar o melhor comando para a melhor resposta e fazer com que o ChatGPT argumente um lado de um tópico e um aluno argumente o outro lado.

“Assim como outras novas tecnologias, essa pode ser uma ferramenta que os instrutores usam para ajudar os alunos a expressar suas ideias”, disse ela. “Os alunos só precisam aprender a melhorar sua escrita e adaptá-la à sua própria voz”.

Fonte: cnn


#Compartilhe

0 Comentários


Deixe seu comentário








Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Baixe nosso APP no Play Store, obrigado!

Top 5

top1
1. DIVULGUE AQUI

DEMO_JINGLE

top2
2. DIVULGUE AQUI

DEMO_JINGLE

top3
3. DIVULGUE AQUI

DEMO_JINGLE

top4
4. DIVULGUE AQUI

DEMO_JINGLE

top5
5. DIVULGUE AQUI

DEMO_JINGLE

Anunciantes